08.18.2017

Lab Design News – Onde estivemos e para onde estamos indo: uma retrospectiva no planejamento e projeto de laboratório

Quando as pessoas pensam em um laboratório, elas provavelmente imaginam fileiras de bancos repetitivos e capelas de exaustão, onde os cientistas se apressam em pesquisar sobre casacos brancos de laboratório. Embora muitos dos ambientes de laboratório de hoje possam se assemelhar a essa imagem, essa imagem está mudando e o laboratório de pesquisa de amanhã está evoluindo de maneiras diferentes. No entanto, para entender como será o futuro dos laboratórios de pesquisa, devemos primeiro olhar para trás para entender os impulsionadores científicos globais que contribuíram para a noção popular de como é um laboratório. Da vastidão do espaço à minúcia do nosso DNA, o design do laboratório respondeu continuamente às mudanças globais nos programas de pesquisa.

Para os propósitos desta discussão, vamos começar em 1957, quando o Elementary Satellite 1 – mais conhecido como Sputnik – foi lançado em órbita terrestre baixa pela União Soviética, colocando a corrida espacial em movimento. Para impulsionar a América, a primeira geração de designs de laboratório pós-guerra evoluiu para apoiar pesquisas em química, ciência de materiais e engenharia. Modelos de pesquisa de um único pesquisador e uso de químicos perigosos e prevalentes resultaram em laboratórios que eram espaços celulares, voltados para dentro, que colocavam a segurança como prioridade máxima. Esses laboratórios certamente eram seguros e protegiam o público de materiais de pesquisa perigosos, mas esses “bunkers” eram lugares ruins para se trabalhar. Mas essa estética de design compartimentada impregnou o cenário da pesquisa até a década de 1970, com um investigador principal designado para uma unidade de laboratório inteira e isolada para sua pesquisa.

Leia o artigo no Lab Design News.