COVID Insights, Perspectivas 06.23.2020

Design de saúde: Olhando para trás, olhando para a frente

Do nosso estúdio paulistano, Lara Kaiser reflete sobre o papel da observação no design-thinking.

Como buscamos coletivamente aplicar a expertise baseada em soluções para desafios que surgiram da pandemia COVID-19, me lembro do papel da história na educação e aplicação de design. Referência histórica fundamenta tanto nossa contínua observação da interação humana com o espaço quanto nosso processo criativo — e está desempenhando um papel significativo na transformação das instituições de cura e bem-estar à medida que continuamos a mudar, em escala global, em resposta à nossa crise atual.

A história dos hospitais e a evolução das unidades de saúde estão enraizadas em fatores sociais, econômicos, científicos e tecnológicos. Na Idade Média, por exemplo, os hospitais eram insalubres e apresentavam altas taxas de mortalidade. A prioridade não foi colocada no paciente, mas na isolação de indivíduos doentes da população saudável. Esses ambientes tinham pouca iluminação natural, e a ventilação era quase inexistente. Os sistemas de aquecimento, que funcionavam em madeira ou carvão, resultaram em má qualidade do ar.

O bem-estar do paciente estava longe do objetivo do projeto.

Foi só no final do século XVIII que os ambientes de saúde se tornaram centrados no ser humano. Fortemente criticados como espaços superlotados, com dados mostrando taxas de mortalidade de até 90, os hospitais começaram a procurar soluções. A história revelou o impacto transformacional que um indivíduo pode suportar em um sistema; Neste caso, Florence Nightingale revolucionou a saúde globalmente com base em sua observação da relação direta entre instalações e condições de pacientes.

Esquerda: Florence Nightingale; Certo: O Hospital Lariboisiére inspirou a exploração de Nightingale da relação entre design e recuperação do paciente.
Imagem (Direita) cortesia Wikimedia Commons

Ao visitar o Hospital Lariboisiére, em 1853, Nightingale fez uma conexão entre a iluminação e ventilação adequadas do hospital e sua baixa taxa de mortalidade dos pacientes. Durante a Guerra da Criméia (1854-1856), Nightingale também observou melhorias em pacientes que foram habilitados a escrever e postar cartas, dando-lhes comunicação direta com os entes queridos. Além disso, criou sistemas administrativos que melhoraram a higiene, designando espaço para o atendimento à lavanderia.

Nightingale capturou suas observações e conhecimentos em notas, relatórios e publicações. Notas sobre Hospitais (1863) delineiam a Teoria da Enfermagem Ambiental (ENT), suas recomendações para construção e reforma hospitalar que defende a relação entre o ambiente construído e a condição humana. Ela enfatizou o papel do projeto tanto na recuperação quanto no declínio da saúde dos pacientes.

Por meio da narrativa e do desenho, Rouxinol ilustra a relação entre o ambiente e a eficácia do tratamento terapêutico. Desenhos conhecidos como O Pavilhão Nightingale e as Enfermarias de Enfermagem Rouxinol abordaram elementos de design como:

  • Distanciamento entre camas
  • Renovação de ar (ventilação)
  • Iluminação natural
  • Relação cama-janela
  • Colocação no banheiro e banheiro
  • Estação de enfermagem e colocação da sala de operação
Enfermarias de Enfermagem de Nightingale
Imagem cortesia de Notes on Hospitals por Florence Nightingale
Modelo de Pavilhão de Nightingale
Imagem cortesia do European Healthcare Design

COVID Response and Field Hospitals

A nova pandemia coronavírus criou uma calamidade pública global, gerando a necessidade da ação mais rápida e eficiente possível no setor saúde. A maioria dos sistemas de saúde não estava preparada para o surto repentino de pacientes. Em resposta, os hospitais de campo foram construídos em muitas áreas e em grande escala para ajudar a apoiar o imenso aumento de pacientes.

O primeiro hospital de campo dedicado aos pacientes infectados do COVID-19 foi construído na China em apenas 10 dias. Em São Paulo, Brasil, há unidades em estádios e parques. Hospitais privados também estão sendo adaptados para ampliar a capacidade. Esses hospitais de campo público têm as seguintes características em comum:

  • Estrutura metálica (construção rápida, leve e econômica)
  • Pods e estruturas pré-fabricadas (construção rápida de áreas como banheiros, estações de enfermagem e salas de consultoria)
  • Melamina e vinil (fácil de instalar e limpar)
Field Hospitals em Wuhan, China (Esquerda) e Estádio do Pacaembu, em São Paulo (Direita).
Imagens cortesia da Global Construction Review (Esquerda) e Da Revista Istoe (à direita)
Um hospital de campo na China faz referência a um modelo Nightingalean.
Imagem cortesia do ArchDaily

Hospitais de campo construídos globalmente têm outra coisa em comum: a semelhança com os modelos nightingalean criados no século XIX. Estamos vendo um retorno ao planejamento do pavilhão onde os espaços são divididos em enfermarias com estações de enfermagem dedicadas e áreas de apoio.

Perspectivas para o Futuro

Enquanto levamos os diretores nightingalean para a frente na saúde moderna, também continuamos a criar projetos transformacionais que impulsionam a prática. Antes do COVID-19, vimos uma tendência crescente de edifícios de saúde flexíveis e resilientes; a pandemia acelerou naturalmente isso. O Hospital Geral, em São Paulo, oferece elementos que facilitam uma rápida resposta à crise em uma pandemia como esta. O hospital foi projetado com um centro cirúrgico por andar que suporta isolamento de germes, permite procedimentos rápidos de emergência e reduz o risco de contaminação, encurtando o caminho da sala de cirurgia para os leitos dos pacientes. A especificação dos leitos conversíveis também permite o atendimento imediato, bem como o suporte à capacidade flexível da UTI.

Designers são ávidos observadores da experiência humana. Pesquisamos, descobrimos e respondemos. Da ideia à implementação, nossos objetivos de design se concentram em soluções humanísticas e holísticas que afetam positivamente a vida das pessoas. Nossa resposta ao COVID-19 exige que nos aprofundemos, exploremos mais e sejamos mais ousados. À medida que reimaginamos espaços de saúde para atender a necessidades sem precedentes, vamos referenciar o que aprendemos do passado, bem como encontrar novas soluções que fortaleçam a interconexão das pessoas e os lugares que as apoiam.

Hospital Geral projetado pelo nosso estúdio de São Paulo possui um centro cirúrgico dedicado