Perspectivas 04.23.2019

Convergência 2019: construindo um ecossistema de inovação

Por Alyssa Largent

This year’s Convergence symposium discussed the diverse nature of innovation that is happening in the Toronto region, as well as back in the states. Our speakers examined the drivers of industry behind what they are seeing, and how they are moving forward in their particular areas of expertise ranging from technology, to academia, to healthcare, and beyond. The symposium’s seven speakers had the opportunity to share their individual and authentic perspectives on this year’s theme, “Building an Innovation Ecosystem,” and to exchange their views in a valuable group panel conversation at the end.

Highlighted below are a few of the main thoughts and outcomes from the day’s engaging discussions.

Thursday, April 11th kicked off with Siri Agrell, Managing Director of OneEleven Toronto, which is an innovation hub that supports quickly scaling technology companies, and is helping to build a sustainable, impactful, and diverse innovation ecosystem in the Toronto region. She took a lens to what has happened within the city economically, politically, and otherwise to shed light on the true value of a successful tech ecosystem. She discussed both the good and bad connotations that come with growing at such a pace that is unsustainable i.e. San Francisco and Silicon Valley, and why she’s pushing to build things differently in Canada.

Matti Siemiatycki, Interim Director at The University of Toronto School of Cities, was up next. He spoke about the trend in mixed-use buildings, and the collaborative efforts that are available to tenants within, where both students, faculty, and industry can thrive and make the most of co-location. He has studied both private and public mixes over the years, defining creative land use mixes as “good urban planning,” though he didn’t ignore the fact that many still remain who haven’t warmed up to the idea of mixing just yet. The importance of good design for him was creating spaces that turn this indifference and conflict into synergy, with users who interact with one another in a beneficial way.

Health science clusters also play a burgeoning role in the Toronto area with nearly 70 global pharma and medical device companies located there. Ella Korets Smith is the CEO of TOHealth, and she presented her thoughts on how to increase cohesiveness and the global profile of a health cluster, along with marketing perspectives toward achieving better research and innovation outcomes. Ultimately, people were the main driver of this deemed success. Through social networks and increased mobility, diverse people skills and experience, along with a hub of activity, Toronto has been a prosperous example boasting Johnson & Johnson J-Labs, Vector Institute for AI, and the MaRS Discovery District, all companies that Perkins&Will has designed spaces for.

Next was Dr. Kathleen Matt, Dean of Health Sciences at the University of Delaware. She spoke about the STAR (Science, Technology & Advanced Research) park that was built on a forgotten Chrysler Automotive Assembly Plant near campus. Increased community impact, student engagement, and translational research efforts have proven that their version of the next generation classroom is a total success, and it is not a classroom at all, at least in the traditional sense. By fostering spontaneous ideas and innovation that allow students and faculty to learn and work in a hands-on environment, this transformation has equated to a theory she referred to as the butterfly effect, where the smallest change or interaction in one location can prompt dramatic change in another. The building is even designed to resemble that of a butterfly, emerging from its base.

Dr. Darren Lawless, o reitor de pesquisa e inovação para Humber College, veio para discutir o seu centro de inovação tecnológica, outro impactante canadense Perkins e Will projeto. Ele falou sobre os desafios dos graduados de hoje que saem da escola com pouca ou nenhuma experiência hands-on em um mundo cada vez mais orientado por tecnologia. O objetivo do CTI é mudar a forma como a educação é entregue aos alunos do STEM e começar a moldar a maneira como os parceiros da indústria e da comunidade trabalham com instituições pós-secundárias, para que as oportunidades e parcerias sejam realizadas antes mesmo de os alunos se graduarem. O benefício é duplo, para que os alunos saiam de instituições de ensino superior com habilidades do mundo real e habilidades colaborativas de resolução de problemas que as empresas precisam de talento para, e também para expor os alunos e educadores para o que a economia ea indústria necessidades são, permitindo-lhes preparar e treinar antes do tempo. Lyall Watson, um parceiro da indústria da SEW-Eurodrive, falou muito dessa abordagem ecossistêmica, com os benefícios diretos que sua empresa observou desde o alinhamento da parceria.

Perkins e Will próprio Andrew Frontini trouxe uma nova perspectiva interna sobre a concepção de ecossistemas de inovação, e que sua equipe local aprendeu e criou com a Universidade de Ryerson Daphne Cockwell Ciências da saúde complexo, engenharia Edifícios 5 & 7 na Universidade de Waterloo, e da Universidade de Ottawa complexo STEM. Ele caminhou pelas descobertas baseadas em projetos que levaram à forma como eles foram capazes de projetar espaços interligados, o que permitiu que os departamentos transmitisse suas pesquisas dentro do prédio, e como a localização para as escolas de nutrição, Obstetrícia, enfermagem e toda a pesquisa trouxe a cidade para o edifício, e ajudou a alcançar a sua visão de comunidade vertical. Uma das características de design mais interessantes foi escolhida para a Universidade de Ottawa complexo STEM; o processo de design para a criação de otimização de aberturas de vidros de fachada para responder ao ganho de calor solar, requisitos de privacidade e visualizações.

Dr. Ginger Grant realizou uma oficina da tarde intitulada “Vamos jogar inovação”. Ela desafiou o grupo a sair de sua zona de conforto, e testar o seu apetite para a tomada de risco. Isso se correlacionou diretamente com a forma como cada pessoa imaginou suas propostas e práticas de desenvolvimento de negócios em torno da tolerância em relação aos mercados existentes, mercados emergentes e novos mercados. Todo mundo foi encarregado de dividir em grupos para Brainstorm o que eles sentiram eram motoristas positivos para a inovação, e aqueles que foram considerados como contratempos, ou obstáculos. Em última análise, ela queria dirigir para casa a mensagem de que não há erros, apenas “pesquisa aplicada”. Ninguém vai estar certo e ganhar 100 do tempo, mas sem tentar, e sem empurrar os limites percebidos, como você nunca sabe o que é possível?

Terminando o dia em que a nota inspiradora, os oradores juntaram-se juntos para uma última sessão que foi uma discussão painel de grupo. Cada um falava sobre onde eles gostariam de ver a sua indústria nos próximos dez anos, sobre seus objetivos pessoais e aspirações de carreira, e, em seguida, embrulhado, tendo perguntas do público.

Obrigado novamente a todos os que participaram, e para o estúdio Toronto e OCAD U para graciosamente hospedagem das sessões. Vemo-nos em 2020!