Perspectivas 06.09.2016

Aftershock: How Design Mitigates Environmental Stressors

Por Jon Penndorf

Quando falamos em projetar para a adaptação climática, primeiro e principalmente nos preocupamos com a preservação e proteção da vida humana. Quando o objetivo compreendido de edifícios resilientes for proteger fisicamente a propriedade e os povos, a resiliência pode igualmente ter efeitos positivos da saúde mental para ocupantes da construção. Sabendo que o aumento dos níveis de estresse foram encontrados para causar diretamente maiores problemas psicológicos , incluindo suicídio, abuso doméstico, e outros comportamentos destrutivos, meu colega, David Cordell, e eu me saí para explorar como o ambiente interior poderia realmente reduzir o sofrimento mental.

O stress ocorre antes, durante e depois de um evento de crise. Fatores fora de um edifício podem contribuir para o stress tanto quanto o ambiente interior. Incapacidade de se comunicar com os entes queridos certamente causará angústia para um membro da família. Falta de acesso à água potável e alimentos têm impactos físicos, mas também pode causar tensão mental. Enquanto os ocupantes da construção não pode sempre ter muito aviso prévio de um evento agudo (como um terremoto ou tornado), há maneiras de o projeto de um espaço pode impactar a saúde mental dos ocupantes naqueles antes, durante, e após timeframes. Sabendo que um evento ocorrerá em um futuro próximo (como um furacão previsto) pode permitir que as preparações físicas ocorram, mas ter esse aviso prévio pode realmente aumentar os níveis de estresse como um aguarda a tempestade.

Nosso projeto de pesquisa, Weathering a tempestade: saúde mental e projeto resiliente, as ligações propostas entre estratégias de projeto específicas e os benefícios psicológicos positivos que podem fornecer quando os ocupantes da construção são enfrentados com um evento da crise. Vários estudos já demonstraram que o acesso direto à natureza e aos elementos naturais alivia o estresse. Instalando um telhado verde em um edifício fornece uma série de benefícios de sustentabilidade – gestão de águas pluviais, criação de habitat de vida selvagem, diminuição do efeito de ilha de calor urbano – mas tal área também pode aliviar a depressão e reduzir os níveis de stress, se disponível como um refúgio ao ar livre aos ocupantes da construção que podem precisar de abrigar-no-lugar. Os telhados verdes podem igualmente ser usados para cultivar frutas e vegetais, oferecendo a nutrição e a confiança mental.

Outras estratégias para o planejamento de resiliência envolvem elementos de design juntamente com a política de operações. Um edifício pode optar por fornecer opções de transporte alternativo para os ocupantes para uso em tempos de stress. Em uma área propensa a inundação, as jangadas infláveis e as bombas de ar armazenadas em um assoalho acima da planície projetada da inundação podem oferecer uma maneira para casa (e o acesso aos amados) durante a precipitação extrema ou a tempestade surges. Ele também oferece uma maneira de recuperar suprimentos para os ocupantes abrigando durante tal evento.

A comunicação destas medidas aos ocupantes é também um factor importante para reduzir o stress. Os ocupantes precisam saber o que as salvaguardas do edifício tem no lugar e ser confortável empregá-los. Quando estas e outras estratégias são comunicadas à construção de ocupantes, acreditamos que pode haver uma diminuição do stress antecipatória, como as pessoas sabem que existem meios para ajudá-los durante um evento de crise.

Why do we care? What is the true benefit? Mental health is a major factor in quality of life, and improving it may lead to greater workforce productivity and reduced absenteeism. Certain design strategies can promote a greater sense of community connectivity. Employers may see reduced insurance costs related to psychological issues during and after crisis events. Residual or delayed stress – that which stays with individuals long after an event has occurred (Post-Traumatic Stress Disorder, for example) – may even be staved off or lessened when occupants’ mental health is factored into planning for resilience to crisis.

By making our spaces more resilient and communicating that value to tenants, designers can contribute to the improved mental wellbeing of occupants. Protecting against loss of life and property is important, but it should not be the only factor in meeting site-specific vulnerabilities. As we increase awareness of design’s impact, occupants may even begin to seek out buildings that can flex with climate fluctuations. Who knows – we may see resilient design joining the ranks of roof decks and bike rooms as the hot new tenant amenity.

Learn more about Jon Penndorf and David Cordell’s research on resilient design strategies by attending their seminar at NeoCon on Monday, June 13 at 2:30 p.m.